Convite: Auditoria Cidadã da Dívida realiza debates na UFPR do Paraná
O Brasil pagou em 2015 aos donos dos títulos da dívida, em forma de juros, R$ 962 bilhões o que equivale a 2,63 bi/dia. Quantas escolas, postos de saúde, rodovias, ferrovias, casas populares daria para construir com estes valores? Confira os horários e endereços.
leia mais



 
   
 
  A lama da Samarco e o jornalismo que não dá nome aos bois
50% da Samarco pertence à Vale, a Vale que tirou o Rio Doce de seu nome e nele despejou lama tóxica. A outra metade pertence à anglo-australiana BHP Billiton, uma fusão da australiana Broken Hill Proprietary Company com a inglesa (radicada na África do Sul) Billiton, atuante nas veias abertas do Chile, Colômbia e Peru (onde tomou uma multa ambiental de US$ 77 mil após contaminação por cobre), no Canadá, Reino Unido e nos Estados Unidos, na Argélia, no Paquistão e em Trinidad & Tobago. Já protagonizou na Papua Nova Guiné uma contaminação fluvial histórica. As maiores mineradoras do mundo. Em Diário do Centro do Mundo/Por Alceu Luís Castilho, em seu blog. leia mais
 

 
 
  TSUNAMI DE LAMA Drama invisível
Acusada de responsável pela tragédia, empresa da Vale cuida da cena do crime, exclui imprensa e deixa o povo de fora. Tá certo isso? - Por Laura Capriglione, enviada especial dos Jornalistas Livres, com fotos de Gustavo Ferreira, em Mariana (MG) leia mais
 

 
ver todas as notícias

     
 
Rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana-MG
 
  ver mais vídeos  
     
 
  Cair na real - LRF e juros
Se os gastos com a dívida interna brasileira, cujo montante passa de R$ 3,8 trilhões, continuarem crescendo com a taxa efetiva anual presente - aí nos 18% aa. – essa dívida subirá, em 30 anos, para 1/2 quatrilhão de reais. Um quatrilhão são mil trilhões: 1.000.000.000.000 x 1.000. Por Adriano Benayon, doutor em economia pela Universidade de Hamburgo e autor do livro Globalização versus Desenvolvimento.
   
  Momento decisivo
Por Adriano Benayon - 23.02.2015 - Na Constituição promulgada em 1988, há, pelo menos, dois pontos incompatíveis com a soberania nacional: o artigo 164 e a inserção fraudulenta –durante o processo da Constituinte - do acréscimo ao art. 166, em seu parágrafo 3º. O art. 164 sujeita o Tesouro – portanto a União Federal e o próprio País – a endividar-se junto aos bancos privados e demais concentradores de capital, pois: 1) dá ao Banco Central a competência exclusiva para emitir moeda; 2) o dinheiro que o BACEN cria, só o pode repassar aos bancos privados, sendo proibido de provê-lo ao Tesouro ou a qualquer ente público. O acréscimo ao § 3º do art. 166 (“excluídas as que incidam sobre: a) ...; b) serviço da dívida; c) ...”) libera os juros e amortizações da dívida dos requisitos a que estão sujeitas outras despesas para serem autorizadas.Em consequência desses dispositivos e do desequilíbrio nas relações de poder econômico e político, o serviço da dívida já nos custou, de 1989 a 2014, em moeda atualizada, mais de R$ 20 trilhões. Sim, mais de R$ 20.000.000.000.000,00, o equivalente a quatro PIBs de 2014.
   
 
   
Dra. Clair
Rodadas de Debates da Dívida Pública no Paraná – “Não existe governo, existe um estamento burocrático a serviço do poder financeiro”
Em uma nova rodada de debates e palestras sobre a Auditoria Cidadã da Dívida do Brasil e dos Estados, realizada em Curitiba entre os dias 12 e 14 de abril, em parceria com o Instituto Reage Brasil, Sindicatos dos Engenheiros do Estado do Paraná e Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região Metropolitana, junto à Instituições educacionais UNIBRASIL e UFPR, além de uma Audiência Pública na Assembleia Legislativa, expôs-se o funesto sistema de uma Dívida Pública artificialmente criada para transfe
 
 
 
ver todos os artigos ver os anteriores
 
  Será que tem conserto para o B
deixe aqui seu comentário

ver mais comentários
Cadastre-se e receba nossas novidades
Nome  
Email  
   

 

   
 
  Belo Monte: Desastre Amazônico  
   
 

 

 

 
     
  Em defesa do Código Florestal  
   
 

Os parlamentares da comissã